Após liberar FGTS, governo estuda restringir saques

O governo estuda criar um mecanismo para restringir o número de trabalhadores que poderão sacar do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).

Há menos de um mês, o presidente Michel Temer autorizou o saque para todos que têm contas inativas, sem novo depósitos após 31 de dezembro de 2015.

Na ocasião, Temer afirmou que  a medida liberaria R$ 30 bilhões do fundo. O dinheiro ajudaria trabalhadores a quitar dívidas e ainda auxiliaria a retomada da economia.

Mas após analisar detidamente os números, o governo descobriu que cerca de 2% dessas contas inativas concentram um montante muito expressivo do volume total de recursos que poderia ser sacado.

Diante disso, passou a estudar alternativas, segundo integrantes do governo e empresários que participam das conversas relatam à Folha.

A princípio, a restrição atingiria somente essas contas, que, pelo saldo muito alto, tendem a ser de pessoas com maior renda.

SEM RESULTADO

O governo acha que, nesses casos, o mais provável é que os trabalhadores apenas transferissem o dinheiro do FGTS para aplicações financeiras mais vantajosas, em vez de consumir.

Esse argumento, de que a medida seria inócua para reanimar a atividade econômica, sempre foi usado pelas incorporadoras imobiliárias para barrar iniciativas semelhantes do governo.

O dinheiro do FGTS é usado para financiar a contrução de imóveis e projetos de saneamento básico.

Os empresários afirmam que liberar saques em todas as contas debilitará em poucos anos a capacidade de fundo de sustentar empréstimos para compra de casa própria.

Ao buscar uma trava para os saques, o governo procura tanto reter parte dos recursos no FGTS como agradar os empresários da contrução, que negociam com o governo um pacote de estímulo ao setor.

DESGASTE

Para blindar Temer do desgaste de um eventual recuo, aliados ensaiam o discurso de que, se a restrição vier, incidirá sobre um número pequeno de pessoas, preservando trabalhadores endividados e de baixa renda qu são o alvo principal da medida.

O anúncio da liberação dos saques foi feito às vésperas do último Natal, como carro-chefe de um pacote de medidas de estímulo econômico apresentado com o objetivo de melhorar a imagem de Temer e a avaliação do governo.

A Caixa Econômica Federal, responsável pela administração do FGTS, promete divulgar em fevereiro um calendário para os saques, de acordo com a data de nascimento dos trabalhadores.

Fonte: Folha de S. Paulo